História

Em jan/fev de 2014 nosso jovem aventureiro ao se preparar para a travessia da volta de Ilha Grande pensou em materializar seu sonho de ter uma rede de nylon. Foi nas lojas de acampamento do centro, encontrou as redes mas não acho seu preço acessível. Já com uma ideia de como fazer uma rede, em sua bike foi direto para o Brás onde comprou o tecido que foi transformado em sua primeira rede :D

Rolou a volta de 15 dias na Ilha Grande e a rede foi usada todos dias e promoveu lindas noites muito bem dormidas com alto conforto.
Poucas semanas depois era CARNAVAL! \o/

Mas nosso aventureiro, ao invés de pular, resolveu participar de uma cerimônia da sagrada medicina Ayahuasca. Vivenciou o ritual no acolhimento de sua rede, que lhe proporcionou um estado de graça. Em outros momentos surgiram preocupações e incertezas sobre o futuro financeiro e profissional. Por parte da família uma necessidade da busca de um emprego, mas por sua parte uma forma própria e independente de caminhar por aê.

Eis que o estado de graça trouxe paz e luz ao futuro incerto. "Farei redes para vender!". Já viu as cores, as redes nas praças, as intervenções nos espaços públicos e o lindo bem estar que uma simples rede proporciona.

De lá pra cá pra ti acalmá!

Histórico

 

A Arlecchina sempre realizou intervenções majoritariamente espontâneas, ou seja, sem convite formal, estando presente principalmente em eventos de coletivos independentes de SP. Marcou presença desde 2014 nos eventos da Vodoohop, Calefação Tropicaos, Venga Venga, Canil_Espaços Fluxus de Cultura, Free Beats, Blum. Esteve também presente em eventos diversos de alguns locais, como Casa das Caldeiras, Cinemateca Brasileira, Nos Trilhos. Nos Festivais: Festival do Amor, Tertúlia, Festival da Praça da Nascente, Mundo Pensante na Praça, I Festival de Cultura e Gastronomia da Praça dos Arcos, e Virada Cultural 2014 e 2017.